Amantes do cinema | O céu da meia noite

em 13 fevereiro 2021

 Olá meu povo, como estamos? Hoje vou falar sobre o filme O céu da meia noite, um dos primeiros que assisti esse ano no Netflix. 

O céu da meia noite | Netflix
Foto: Divulgação/Netflix


Ficha técnica


Filme: O céu da meia noite 

Ano: 2020 

Gênero: Drama, Ficção Científica

Duração: 2h02min

País: EUA


O Céu da Meia-Noite acompanha Augustine (George Clooney), um solitário cientista no Ártico que tenta impedir que Sully (Felicity Jones) e seus colegas astronautas voltem para casa em meio a uma misteriosa catástrofe mundial.


O céu da meia noite | Netflix


    Num futuro não tão distante, o planeta passa por uma situação tão drástica, que viver nele se torna impossível. 
    Com a Terra tomada por radiação muito forte, o único local que ainda não foi atingido são os polos, os quais não comportam toda a população humana. 
    Assim, a única solução encontrada pela Humanidade é sair daqui e procurar um outro planeta que possa ser colonizado por nós. 
    Numa dessas missões, a equipe de Sully encontrou um planeta com atmosfera compatível com a Terra e está voltando para compartilhar os achados científicos depois de cinco anos em viagem espacial.
   Porém, com a radiação se agravando, apenas um cientista ficou na Terra, Augustine, o qual tenta impedir a todo custo que a equipe de astronautas retorne à Terra. 
   


O céu da meia noite | Netflix
Foto: Divulgação/Netflix



   Eu já tinha visto um filme que, se não me engano também era dirigido por George Clooney e era bem lento. Esse não é diferente. 
   Dirigido e estrelado por Clooney, que encarna Augustine, vemos um filme bem longo, não apenas nas duas horas mesmo de duração, como a sensação que temos das coisas acontecendo mais lentas, em especial na Terra. 
   Augustine é o único louco (ou corajoso), que ficou no planeta, quando toda a Humanidade se mudou nas naves, rumo a planetas próximos para colonizar. 
   Ele sofre de uma doença terminal, e está já se considerando com os dias contados. Se a doença não lhe matar, a radiação vai, já que está avançando rápido. 
  O tempo todo vemos Augustine já mais velho e doente, se lembrando de seu passado como cientista brilhante em início de carreira. E vamos entendendo também como ele chegou onde está e o porquê.
   Assim, os dias dele são bem lentos na estação de monitoramento, até o dia em que aparece uma garotinha, aparentemente deixada para trás durante a remoção de pessoal. 


O céu da meia noite | Netflix
Foto: Divulgação/Netflix


   Augustine não pode deixar a criança lá, e faz de tudo para tentar que alguém venha buscar a menina. Apesar de ser uma rotina mais lenta, a aparição da menina faz com que seus dias fiquem um pouco mais movimentados, já que a menina não fala, mas a companhia que ela faz ao menos dá um pouco de alegria para um velho doente e sozinho. 
  Mesmo assim, ele sabe que é perigoso para a garotinha ficar exposta à radiação, então faz de tudo para conseguir falar com alguém, inclusive tentar chegar até uma outra estação mais potente. 
  Além disso, a garotinha parece aflorar esses pensamentos de seu passado, que se vê cada dia mais atormentado e assombrado pelos seus próprios fantasmas. 
  Nesse tempo, conhecemos o outro núcleo do filme, que está viajando de volta para a Terra. Ao contrário da lentidão que temos na Terra, na nave os astronautas são mais jovens e mais ativos. 
  Nesse núcleo também temos mais um pouco de ação e aventura, já que eles estão indo em busca de algo bem novo. 


O céu da meia noite | Netflix
Foto: Divulgação/Netflix


  A volta para casa parece ser algo bem emocionante, já que estão com muitas novidades para contar. 
  Porém, a falta de respostas da NASA é preocupante e o clima fica meio tenso por lá também.
  O filme fica o tempo todo intercalando entre o núcleo mais solitário e sofrido e o de mais ação. Isso deu um certo equilíbrio no filme, que ficou mais fácil para passar o tempo dele. 
  Como se passa num cenário do futuro, mas num cenário de Apocalipse, o filme não precisou de muitos efeitos especiais, mesmo sendo de scifi
  Isso foi uma grande sacada, pois mostra algo mais crível e mais próximo de nossa realidade. Mesmo que a tecnologia esteja mais avançada, ela não foi suficiente para retardar o que estava acontecendo com o planeta e recorrer a itens já utilizados hoje para se comunicar foi uma ideia brilhante. 
  Mas, ao mesmo tempo que sabemos que é uma realidade que pode ser próxima de nós, ficaram faltando algumas explicações ao longo do filme. 
  Achei que as respostas viriam ao longo dele, mas acabaram não vindo e fiquei um tanto triste com isso. 
  Além disso, é um filme com a pegada da ficção científica, mas acabou focando muito mais no drama. Eu chamaria de "drama do futuro"... 

O céu da meia noite | Netflix
Foto: Divulgação/Netflix


  Apesar disso, é um bom filme, que vale a pena ser visto, sem expectativas. O final dele é aberto, o que te dá espaço para várias alternativas do que poderia acontecer, quando ambos os núcleos se cruzam. 
  Não sou muito chegada a finais abertos, mas aqui ele foi bem vindo, pois não sei se realmente caberia um final definitivo. 





  Esse filme é baseado num livro homônimo, de Lily Brooks-Dalton (em Inglês, Good morning, Midnight). Ele está à venda na Amazon.


  
O céu da meia noite | Lily Brooks-Dalton
Foto: Divulgação


   Vocês já viram esse filme? Curtem obras com essa pegada mais lenta e final aberto? Me contem aí! 😉




14 comentários:

  1. Eita! Eu vou assistir hoje de madrugada, já que estou de férias ksks. Porque ultimamente só assisto história de casal no youtube e novelas mexicanas, esses dias estava vendo uma turca. Deveria me preocupar?! ksksks Me lembro de gostar bastante de finais abertos, e eu adoro uma ficção cientifica. Obrigada pela resenha!
    www.criadoestapafurdio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que se você gosta, tem que aproveitar mesmo! kkkk
      Espero que goste desse que é um ponto bem fora da curva para você. ^^

      Excluir
  2. Oi, Hanna. Tudo bem? Particularmente gosto bastante de ficção científica, sendo assim o filme poderá me agradar. Que bom que gostou dele, mesmo tendo o final aberto. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Hanna! Eu não curto finais aberto, afinal depois de seguir com uma história por determinado tempo, queremos respostas e conclusões. Não conhecia o filme, mas fico feliz em ver que mesmo tendo ressalvas, você curtiu. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que depende muito da trama, às vezes um final aberto fica melhor... mas é tudo questão de gosto também, rs.

      Excluir
  4. O banner desse livro é lindo e eu adoro filmes de ficção. Apesar de não curtir finais em aberto, gosto de alguns que me levam a pensar durante vários dias após finalizar.

    Bjs

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então acho que esse livro é para você, e o filme também! ;)

      Excluir
  5. Oi Hanna, sua linda, tudo bem?
    Eu vi o anúncio desse filme e estava curiosa. Eu gostei desse equilíbrio da parte dele ser mais lenta e a dos humanos na espaçonave mais dinâmica. Pois realmente, se nos colocarmos no lugar dele, sozinho, se ninguém esperando a morte, deve ser nessa lentidão mesmo. Mas essa garotinha dá aquele sentimento na gente de torcer para que ele se salve junto com ela. Só acho que não gostaria desse final, risos.. Quem sabe? Vou acabar dando uma chance. Adore sua crítica!
    beijinhos.
    cila.
    https://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da resenha! Espero que goste do filme também. S2

      Excluir
  6. Oi, Hanna!

    Eu queria assistir esse filme, mas vi tantos comentários negativos à respeito que desanimei, principalmente quanto à duração e sobre ser lento. Mas gostei de conferir a sua resenha, me deu outra perspectiva e acho que vou dar uma chance e assistir!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que goste do filme. Eu confesso que vi sem criar expectativas, mas gostei bastante no final das contas.

      Excluir
  7. Olá, Hanna.
    Não teve nada nesse filme que me chamasse a atenção. Eu não sou fã de filme ficção-cientifica, filmes meio parados assim então eu durmo hehe. E esse negócio de final aberto não é comigo. Acredito que não vou assistir.

    Prefácio

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e seja sempre bem vindo ao Mundinho da Hanna.
Ficarei imensamente feliz com seu comentário, desde que:
- Não contenha palavras de baixo calão;
- Não seja span.
Os comentários costumam ser respondidos nos finais de semana. =)
Bjks!

© Mundinho da Hanna | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger.
Topo