O efeito Rosie | Graemme Simsion

em 12 novembro 2021

    Olá meu povo, como estamos? Hoje temos resenha do projeto #12livrospara2021, em parceria com as meninas do MãeLiteratura e Pacote Literário.  
    O tema do mês de novembro era "Um livro de capa azul" e o mais votados por vocês foi O efeito Rosie, de Graemme Simsion. 


O efeito Rosie | Graemme Simsion
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna



Obs.: Esse livro é a sequência de O projeto Rosie e pode ter spoilers do primeiro volume! 

63/24

Livro: O efeito Rosie 

Autor: Graemme Simsion

Editora: Record 

Ano: 2016

Páginas: 416




A sequência do best-seller internacional O Projeto Rosie.
O Projeto Rosie foi concluído, e Don e sua amada estão morando em Nova York. Ele é professor na Universidade de Columbia, e Rosie cursa o primeiro ano do programa de doutorado em medicina. Tudo vai muito bem até o dia em que ela anuncia: “Estamos grávidos.”
Diante do desafio ainda maior do que encontrar uma esposa, Don não vê alternativa a não ser iniciar o Projeto Bebê. Ao tentar definir os protocolos para se tornar pai, usando seu estilo de pesquisa peculiar e suas habilidades sociais – ainda baixíssimas –, Don, é claro, acaba se metendo em várias confusões e mal-entendidos. Agora ele corre o risco de ser processado, deportado, de perder a credibilidade profissional e, o pior, de perder Rosie para sempre.
Prepare-se para rir, chorar e se emocionar novamente com o professor de genética mais carismático de todos os tempos.


O efeito Rosie | Graemme Simsion


    Depois de passar por várias confusões, Don Tillman, o professor de genética mais peculiar que o mundo já viu, e Rosie, a doutoranda em Psicologia e estudante de Medicina, se casaram e se mudaram para os Estados Unidos, para traablhar/estudar na Universidade de Columbia. 
    Tudo ia bem na vida deles, até que Rosie descobriu que estava grávida. Don, que já tinha passado por poucas e boas com seu Projeto Esposa, agora se vê numa situação inesperada, literalmente, já que o Projeto Bebê não estava nos planos para tão cedo. 
    Tentando se adaptar a um novo país, com uma nova rotina e, agora, com um bebê sem projeto vindo aí, a vida de Don vai virar de cabeça para baixo, se ele não arrumar uma estratégia e logo. 
    O problema é que esse projeto pode trazer muito mais do que apenas um bebê. 


"Uma coisa que eu tinha aprendido sobre a gravidez era que os conselhos nunca param de chegar."



    Eu li O projeto Rosie há um tempo, logo nos idos de 2013, quando foi lançado. Lembro que me foi uma leitura divertida e até rápida, com o protagonista Don Tillman e suas rotinas que irritavam todo mundo. 
   Porém, Don Tillman tem seus motivos para ser assim, que foi o que me fizerem olhar com bons olhos para o livro e, agora, quase 10 anos depois, lendo a sequência, continuo com o mesmo olhar. 
   Don tem Asperger e na cabeça dele, tudo funciona muito bem se for explicado de modo literal, com um protocolo e testagens múltiplas até que seja considerável aceitável. 
   E isso é aplicado em todos os setores da vida de Don, inclusive no social. Rosie foi um ponto totalmente fora da curva para Don, porém foi por ela que ele se apaixonou e cada dia aprende mais um pouco. 


"Embora não considerasse a síndrome de Asperger um aspecto negativo, eu não precisava de mais um rótulo." 

   Tudo ia muito bem, até que Rosie anunciou a gravidez inesperada. Ela estava no final do doutorado, terminando uma tese em cima do laço e ainda nos primeiros semestres de Medicina. 
   Ter uma gravidez agora seria a última coisa que desejaria, mas já que veio, ela teria que se adaptar. O problema é que seu marido não é uma pessoa que se adapte tão fácil assim a novas ideias.
    Don tem uma maneira de pensar super racional e direta. Dificilmente entende piadas e seu modo de falar a verdade sempre pode parecer grosseiro e irritante para quem não percebe quem Don é de verdade. 
   Quem convive com ele, sabe que ele não fala as coisas por mal ou para humilhar ninguém, mas porque a cabeça dele processa informações de outra maneira mais preto no branco. 
   Só que esses processos podem levar a situações bem constrangedoras e até cômicas ao longo da leitura. 
   E essas situações só aumentam, conforme ele tenta aprender, de sua maneira, como se preparar para ser pai. 
   Enquanto isso, Gene, um dos amigos psicólogos de Don e orientador de Rosie, foi expulso de casa pela esposa, Claudia, e saiu da Austrália para afogar as mágoas do outro lado do oceano. 
   O que estaria muito bem, se ele não tivesse pedido abrigo para Don e Rosie, logo quando ela descobre que está grávida. 


O efeito Rosie | Graemme Simsion
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna


   Gene faz muita besteira e conta muita vantagem, mas também faz umas análises interessantes (porém não muito válidas, já que é parcial em relação aos dois), que parecem só colocar mais lenha na fogueira, especialmente quando Don leva para o sentido mais literal das frases. 
   Essa situações acabam deixando Rosie maluquinha, mais do que já era de se esperar. Eu entendo um pouco a situação dela, pois eu também estou sofrendo um bocado com o final do meu doutorado, que dirá se ainda estivesse grávida, morando com meu orientador, que faz as vezes de terapeuta de casal. 
   Mas, ainda assim, eu confesso que fiquei com raiva da Rosie em diversos momentos. Isso porque ela resumiu o significado do dito popular: casa de ferreiro, espeto de pau. 
   Me admira ela, uma psicóloga formada, quase com diploma de doutorado, sabendo como Don tem um jeito peculiar de processar as informações, mas ela simplesmente começou a excluir o coitado de diversas situações, que ela mesma não informou para ele que iriam acontecer! 
   Sei que Don tem uma particularidade, mas ele não tem o dom de ler mentes também. E, se eu estivesse no lugar de Don, teria ficado bastante magoada, aliás. 

O efeito Rosie | Graemme Simsion
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna


   Quem segura a barra da situação é exatamente Gene e Dave, amigos mais chegados de Don, mas que também parecem saber tanto sobre ser pai, quando o assunto é com os outros, não com eles mesmos. 
    Aos poucos, tentando livrar Don das próprias confusões, eles mesmos vão aprendendo as suas lições, aprendendo a serem maridos e pais de verdade. 
    Confesso que, lendo um livro escrito por um homem, com protagonistas homens, envolvendo casamentos e família, eu esperava um livro mais enviesado, colocando eles como os verdadeiros príncipes encantados que salvam o dia. 
    Especialmente por eu ter mudado bastante minha cabeça desde 2013 para cá, evitava ler esse livro exatamente por não querer me decepcionar. 
   Quando ele foi o mais votado, eu já fui com a sensação de que iria apenas "cumprir uma missão" e nada mais. 
   Mas eu me surpreendi muito com esse livro, de maneira positiva. Vemos tudo pelos olhos de Don, nosso narrador. 


"Paradoxalmente, a felicidade havia me testado, mas concluí que ser eu mesmo, com todas as minhas falhas intrínsecas, era mais importante do que possuir aquilo que eu mais desejava."


    Don, por ter uma forma peculiar de ver as coisas, nos narra sua história dessa maneira, o que poderia ser chato e monótono, mas não passou nem perto disso. 
    Don me deu diversos tapas na cara especialmente quando era questionado por pessoas que lhe diagnosticavam no meio da rua, como isso fosse motivo para dizer que ele era um coitadinho e bobinho, que não sabia do que estava falando e deveria ficar num cantinho... sendo que ele é doutor em Genética, professor universitário e tem uma vida social até bastante movimentada!
   Por diversas vezes, ele se lembra de momentos de sua infância, de bullying que sofreu da própria família e na escola, de vários terapeutas e pessoas que "sabiam demais". 
   E, sinceramente, posso não ter passado pelo que ele passou, mas o vi falando diversas vezes coisas que minha própria psicóloga me falava e me senti quase representada em diversas situações. 
   Apesar disso, o livro tem um toque super leve, com uma escrita fluida, o que torna a leitura divertida e com o pé no chão, me lembrando Sheldon Cooper de The Big Bang Theory em diversos momentos. 
   Don é uma pessoa, que tentava ser normal, num mundo que não é normal. Além disso, ele dá várias lições de sororidade, companheirismo e de amor, nos pequenos detalhes, o que muito me chamou atenção, embora as coisas não tenham saído como ele esperava em diversos momentos, o que me fez sentir pena dele, mesmo que ele não entendesse. 
   Mas confesso que me incomodou em alguns pontos, quando se tocava em assuntos sobre ecologia e consumo consciente de recursos. 
   Muito do que foi falado ali eu não concordo e fiquei bem incomodada com a forma como o assunto foi abordado, sendo que ele nem faria falta na trama. 
   Aqui, temos personagens antigos, e também alguns novos, especialmente Lydia, que parece ser de grande importância em diversos momentos. 
   Ela também me incomodou bastante no início, pois me mostrou ser uma pessoa muito metida a besta e espertalhona, quando ninguém lhe pediu opinião. 
   Além disso, o conto de fadas às avessas tem que ter um final a la contos de fadas, o que já era esperado desde o primeiro volume. 
   Em clima de romance água com açúcar, começamos e terminamos as aventuras de Don e Rosie, aprendendo a conviver com suas diferenças e respeitando as diferenças do próximo. 
   Apesar de já previsível, o final é satisfatório e, nem por isso deixa de ter emoção. Com O efeito Rosie, fui surpreendida com momentos de raiva, risadas, tristeza, solidariedade e até emoção com direito a lágrimas. 
   O livro em si tem uma capa azul bem bonita e simples, com Don correndo contra o tempo para resolver suas próprias trapalhadas.    


O efeito Rosie | Graemme Simsion
Foto: Hanna Carolina/Mundinho da Hanna



   A revisão está perfeita e as páginas são amareladas e bem grossinhas, o que torna a leitura bem agradável e fácil. 
   Provavelmente não releria esse livro. Mas foi bom saber como tudo terminava, ainda que depois de tanto tempo, e ainda me surpreendi por lembrar dos personagens tanto tempo depois, sempre precisar recorrer ao primeiro volume. 
    



       Já leram uma sequência tanto tempo depois do primeiro volume, e ainda assim se lembraram da trama? 
   
  




   Continuando com o projeto, que está em reta final, esse foi o andamento até aqui: 


12 livros para 2021 | Novembro




   E aí, já conheciam esse livro? 




 


18 comentários:

  1. Oi Hanna,
    Eu gosto tanto da primeira capa, não sei porque mudaram para outra tão feia! kkkk
    Eu li os dois e gosto infinitamente mais do 1, ia ter adaptação, mas pelo visto esqueceram no churrasco!
    beeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, achava a capa antiga mais bonita, haha. E pois é menina, tô até hoje esperando pela adaptação desse livro enada, haha.

      Excluir
  2. Oie, eu não imaginava que esse livro era tão grande kkk, gostei da escolha e me parece uma leitura agradável. É tão bom ver esses desafios se completando!!!

    Bjs

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem eu tinha me ligado que era tão grande também, até pegar para ler oficialmente, haha. Mas sim, foi uma leitura bem agradável. ^^

      Excluir
  3. Oi Hanna! Eu gosto bastante da duologia, acho a história divertida na medida certa, mas também com boa dose de seriedade e um tantinho de drama. Tenho aqui na minha estante com muito carinho. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  4. Oi, Hanna. Como vai?
    Amei a tua resenha, achei muito completa.
    Eu ainda não li esses livros, parecem ser legais. Fiquei com uma dúvida, tive a impressão de que dá pra ler o segundo independente do primeiro, seria o caso?
    Outro ponto que fiquei bem curiosa, você mencionou que não gostou dos comentários sobre ecologia e consumo consciente de recursos, fiquei curiosa pra saber como foi essa abordagem.

    Adorei tua resenha!
    Beijos,
    Anni

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anni, seja bem vinda ao Mundinho. ^^ Então, O efeito Rosie é a continuação de Projeto Rosie, aconselho a ler na ordem mesmo. E com relação aos comentários, eu não gostei porque eles falam de uma forma diferente do que eu esperava. Sem dar muito spoiler, mas já dando, haha, é como se incentivasse o fim do consumo consciente. Fiquei incomodada.

      Excluir
  5. Amei a resenha. Lembro que queria muito ler o primeiro livro quando saiu, mas acabei nem lendo. Vou colocar os dois na lista para ler depois.

    Gosto muito de personagens um pouco fora da curva que nos faz entender as pessoas.
    Beijos
    dearlytay.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, Hanna.
    Eu li O projeto Rosie quando lançou e confesso que não lembro muita coisa da história, mais do Don mesmo com sua personalidade peculiar e que foi o motivo de eu ter gostado tanto do livro. Mas esse continuação entrou naquele quesito de livros com continuações que eu não pretendo ler porque não acho que eram necessárias.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo, Sil. Achei a continuação desnecessária. Mas como sou muito curiosa, eu tinha que saber como terminava, haha.

      Excluir
  7. Parece ser uma história super legal e envolvente, daquelas que a gente fica na torcida pelos personagens.
    Adorei! ;)

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ooi! Eu lembro do alvoroço quando Projeto Rosie saiu, pois foi muito resenhado nos blogs. Mas acabei perdendo o lançamento deste volume e fiquei sabendo dele apenas agora. Achei a premissa bem interessante e parece ser uma leitura divertida.

    Silviane • kzmirobooks.com

    ResponderExcluir
  9. Oi,Hanna. Como vai? Tenho curiosidade em ler este livro. Que bom que gostou. Muito boa sua resenha, viu. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e seja sempre bem vindo ao Mundinho da Hanna.
Ficarei imensamente feliz com seu comentário, desde que:
- Não contenha palavras de baixo calão;
- Não seja span.
Os comentários costumam ser respondidos nos finais de semana. =)
Bjks!

© Mundinho da Hanna | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger.
Topo