05 junho 2015

Projeto 52 Semanas Semana #3

   Olá pessoal! Como estamos nessa linda sexta feira, pleno feriadão de meio de ano? =)
   Hoje é dia de Projeto 52 Semanas e o tema da semana #3 é: Por que escolheu sua profissão/curso?



   Então, quando se pergunta para uma criança o que ela quer ser quando crescer, ela sempre vai dizer uma profissão diferente, seja porque viu na TV algo legal, porque os pais são de uma profissão que está há gerações na família, ou coisa do tipo. Bem, eu não sabia muito bem o que fazia um biólogo, mas sempre dizia que seria bióloga quando crescesse. =) Apesar de não saber ao certo, imaginava que fosse observar e estudar bichinhos fofinhos e era isso o que eu queria... Qual bicho? Não importava, desde que fosse fofinho... =)



   Minha mãe sempre ficava em desespero quando a gente tocava nesse assunto, porque ela não conhecia biólogos e só via pela televisão aqueles caras barbados no meio do mato, lutando para não derrubarem árvores e coisas afins. Então me botava medo, dizendo que biólogos não ganhavam dinheiro e só iam viver no mato. Eu não tinha como responder, afinal era criança e minha mãe sabia o que era melhor pra mim, mesmo que no fundo eu pensasse que biólogo poderia fazer algo mais que viver no meio de mato.
   O tempo passou e chegou a época do vestibular. Bem... dúvida cruel... fazer o que sempre quis desde criança, pois a essa altura já sabia que biólogo podia fazer um monte de coisa legal, ou ir pela onda da minha mãe, que sempre sonhou que eu cursasse Nutrição, que segundo ela, era minha cara... Vocês não sabem como fiquei em dúvida quanto a isso, pois mesmo já sabendo o que sempre quis ser, não queria bater de frente com minha mãe... cheguei até a fazer o vestibular para outro curso, pois falei pra ela que se eu não poderia fazer o que eu queria, também não faria o que ela queria... Então tentei (e até fiquei na lista de espera para reclassificação) para Direito, mas não tava feliz com aquilo, porque comecei a me imaginar depois de uns 10 anos fazendo aquilo que não curtia... daí parei e pensei: “não me importa o quanto vou ganhar com minha profissão, se eu fizer o que eu gosto, isso é o que importa! Quero ser cientista, estar nos bastidores da pesquisa, colocar o jaleco e usar o microscópio, descrever animais e identificar plantas, não andar pra cima pra baixo com um Vade Mercum embaixo do braço, caro pra caramba diga-se de passagem, que todo ano sai de linha praticamente!”” Se minha mãe já tinha aceito  que eu não cursasse Nutrição como ela queria e até torcia quando eu fiz prova pra Direito, por que ela não ficaria feliz se eu fizesse o que sempre sonhei?!”
   Então voltei para os livros, fingi que aquela prova na qual tava na expectativa de ser chamada (a de Direito) jamais havia existido e tentei o vestibular novamente, dessa vez para Biologia. Quando meu nome saiu na lista dos aprovados quase caí para trás, pois agora teria que enfrentar a ira da minha mãe, o que de fato aconteceu. Ela só se acalmou quando meu pai chegou e ficou todo feliz, anunciando para a rua inteira que a filha tinha passado para uma universidade pública. E, para convencer minha mãe, mostrei para ela que não ia ficar no meio de mato o tempo inteiro, que biólogo podia fazer mais que isso, que eu podia trabalhar em laboratório e tal. Daí ela se acalmou um pouco... rsrs





Olha um pouco das minhas aventuras durante a faculdade!

   Se foi fácil enfrentar cinco anos de graduação longe de casa? Não. Se foi ruim enfrentar greve quase no fim do curso? Foi. Se foi fácil escolher uma linha de pesquisa para levar adiante na minha vida? Não. Se sei que vou demorar até ser bem sucedida no caminho longo que escolhi? Sim. Se me arrependi do que decidi para minha vida? Não.
   A emoção de subir no palco do auditório no dia da minha formatura foi indescritível. Poder olhar para trás e dizer eu consegui. Ver minha mãe feliz e dizer que eu tava certa em lutar pelo que eu realmente queria não tem preço. Infelizmente meu pai não pôde ver essa cena, pois ele faleceu quando eu tava no meio da graduação, mas sei que ele também teria ficado emocionado ao ver a filha dele se formando no que sempre quis.



Olha eu na minha formatura! =)

   Estou no mestrado, acabei escolhendo uma área que me faz ir ao meio do mato de vez em quando para coletar material (sou paleontóloga em construção, rsrs). Mas estou feliz com o que eu faço e, se voltasse atrás, acho que escolheria os mesmos passos. Afinal, o que importa é lutar pelo que você gosta, independente do que digam para você.
   Bom pessoal, é isso. Espero que tenham curtido e não se esqueçam de ver as histórias das meninas em:






  Hanna Carolina. 


4 comentários :

  1. Parabéns Hanna. O importante é fazermos o nos dá prazer.
    Continue assim assim procurando o nos faz feliz.
    Cantinhodacrítica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Raquel! De fato não tem coisa melhor do que fazer o que a gente gosta! Obrigada pela visita! ^^

      Excluir
  2. Realmente não tem coisa melhor do que fazermos o que gostamos, quando é assim colocamos colocamos corpo e alma e muito amor. Legal que você está fazendo mestrado Hanna, parabéns!

    http://www.sweetcarolinee.com/
    Beijos <3

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Agora deixe uma blogueira feliz, comente, compartilhe e seja sempre bem vindo no Mundinho da Hanna! =)